Faça seu login

Os benefícios do cloro

Postado em 18 de junho de 2014 | 0 comentários

O elemento é um dos heróis no tratamento de água em todo planeta. O foco deste artigo não é gloriar o cloro e esquecer os prós de produtos alternativos. O objetivo é mostrar o quanto o cloro é útil em prol da saúde e é aceito pelas maiores organizações mundiais. Tudo, é claro, com os devidos cuidados.

A água encontrada em rios ou poços profundos encontram diversas substâncias dissolvidas, tais como: cloro, cálcio, magnésio, zinco e outras. E é o grau de concentração desses componentes que determina se a água é nociva ou não. Para que uma água seja saudável, ela não pode conter vírus, bactérias, parasitas ou qualquer substância tóxica. Quando a água não é tratada, pode ser forte meio de transmissão de doenças ligadas ao aparelho intestinal, como a cólera, amebíase e desinteira bacilar. Também há casos de esquistossomose e até cáries dentárias.

Para tratar dos casos de desinfecção da água, o cloro é considerado uma das principais conquistas para saúde humana. Segundo as revistas Life e Veja, o cloro é um dos 100 fatos que mais mudaram o mundo de 1001 DC até hoje. Obviamente, um avanço relevante para a saúde pública. Nos países desenvolvidos, o uso do cloro aumenta a expectativa de vida em até 50%.

Doenças originadas da água podem levar o usuário a óbito. Para prevenção de desfechos fatais, é necessário que a água seja tratada da maneira correta. Um dos exemplos de doenças originadas pela água é a cólera. Os primeiros casos foram registrados na América do Sul e o pico aconteceu em 1991, no Peru, onde por um período, a cloração da água foi interrompida. A epidemia foi se espalhou logo para 19 países . Calcula-se que um milhão de pessoas contaminadas. Dessas, pelo menos 10 mil não resistiram a doença. Só depois de tamanha calamidade pública, a água tornou a ser clorada no país.

Nos Estados Unidos, a água também é clorada. Lá, os casos de cólera e malária são praticamente nulos. Acontece o mesmo na Europa e em qualquer parte do mundo onde o saneamento é tratado com seriedade. O uso do cloro não é usado só para o tratamento de piscinas, mas também como desinfetante de uso doméstico, poços artesianos e água potável.

A legislação brasileira procura acompanhar as tendências mundiais sobre potabilidade da água – visando qualidade e saúde. Até que a norma fosse estabelecida, especialistas auxiliaram na elaboração. E assim, foi determinada a quantidade de cloro que sai na água das torneiras. Para cada litro de água, é obrigatório pelo menos 0,2 mg de cloro. O residual sugerido é necessário para eliminar contaminações de microrganismos causadores de doenças. Em todo planeta, uma quantidade mínima de cloro ou outro desinfetante na água é obrigatória.

Seja o cloro ou qualquer outro desinfetante, quando agem na água geram subprodutos. Alguns desses, se usados em concentração elevadas, podem ser tóxicos. O limite previsto em legislação é baseado em estudos científicos feitos no mundo inteiro. Há décadas, são feitos estudos para que se determine a quantidade de cloro a ser diluída seja segura e não ofereça risco à saúde.

A fonte do cloro é o sal marinho ou de mina – elemento farto na natureza e importante para saúde humana. O mesmo elemento é usado em hospitais, em mercados, residências e indústrias. Em cada um desses lugares, a finalidade é a mesma: a desinfecção. O cloro também é presente em pelo menos 70% dos medicamentos – seja na fórmula ou no processo produtivo.

Água é sinônimo de vida. Para que o homem desfrute de uma vida confortável e com menos riscos à saúde, é necessário que essa mesma água esteja adequada para o consumo – seja para beber, nadar e vivenciar bons momentos. Sem tratamento o adequado, sim, é perigoso.

Author: admin

Compartilhar

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *