09/06/2021

Saiba como economizar com a piscina eliminando hábitos ruins


Compartilhe:

Assim que pegam o ritmo de manutenção da piscina, é natural que muitos proprietários comecem a achar que já possuem tudo sob controle e que essa rotina de tratamento não é nenhum bicho de sete cabeças. O problema é que, geralmente, esse pensamento vem acompanhado da ideia tentadora de que os “atalhos” para manter esse espaço limpo e para economizar com a piscina, é claro podem ser boas alternativas.

Mas não é bem assim. A verdade é que essa zona de conforto é a responsável pelo surgimento de diversos hábitos ruins entre os tratadores e proprietários que, mesmo sob a falsa impressão de estarem otimizando essa atividade, acabam passando bem longe de economizar com a piscina.

Quer economizar com a piscina? Saiba quais hábitos deixar de lado

Como a piscina geralmente é uma extensão de nossas casas, é comum que cada pessoa lide com o tratamento dela da forma que achar mais conveniente. Contudo, há algumas ações que podem ser adotadas para diminuir os custos e garantir a durabilidade dos seus componentes e equipamentos. É por isso que, neste artigo, reunimos quatro hábitos ruins que podem ser eliminados em prol de uma rotina mais barata e eficiente. Confira:

Aplicação de produtos no “olhômetro”

Há quem fale da manutenção de piscinas como se fosse uma arte, mas nós precisamos discordar. Tenha em mente que manter o equilíbrio químico da piscina é uma ciência exata: é necessário que se adicione uma quantidade específica de um ou mais produtos específicos para que seja possível obter um efeito também específico. Quando falamos em química, nada é negociável.

Nesse contexto, é fundamental que se usem medidores específicos e que as misturas e combinações sejam feitas dentro dos parâmetros indicados pelo fabricante, já que essa é a única forma de garantir consistência nesse processo. Assim, a ação dos seus produtos se mantém ativa pelo tempo certo e, no longo prazo, você acaba gastando menos com a reposição desses itens!

Uso incorreto dos kits de teste

Aqui vamos bater mais uma vez na tecla da consistência. Além de caprichar na dosagem e na aplicação correta dos produtos, é igualmente importante dar a devida atenção ao processo de checagem dos parâmetros químicos da água. Você sabia, por exemplo, que até mesmo o manuseio incorreto dos kits de teste pode afetar o resultado, prejudicando todo o fluxo de tratamento?

Especialmente quando pensamos nas fitas de teste, vale ressaltar que o manuseio desses produtos e soluções requer atenção redobrada, já que a exposição ao calor, à água ou a outros elementos pode alterar as propriedades químicas presentes nas fitas ou nos reagentes e acabar gerando resultados imprecisos.

Deixar os equipamentos na piscina

Mesmo com a piscina fora de uso, não é segredo que ela precisa de cuidados de vez em quando. Sabendo disso, muitos proprietários optam por nem remover alguns equipamentos da água, como a mangueira e a base de aspiração ou o cabo telescópico. Na teoria, a ideia é ganhar tempo quando chegar a hora da próxima aspiração. Porém, na prática, este é um hábito ruim que acelera o desgaste desses itens.

Lembre-se que a maioria deles foi desenvolvida para usos rápidos e pontuais, não para passar semanas ou até meses submersa na água. Por isso, se a sua ideia é economizar com a piscina, o ideal é sempre lavar esses equipamentos com água corrente e guardá-los em um local seco e protegido até o próximo uso — assim, eles duram mais e você gasta menos com a reposição.

Não levar a temperatura em consideração

Por fim, o último hábito ruim acaba passando despercebido até mesmo entre os mais experientes: não levar a temperatura em consideração na hora de balancear a piscina. Isso porque, em dias muito ensolarados e quentes, é preciso lembrar que a água vai evaporar mais rápido — e os produtos químicos vão virar vapor junto com ela.

Paralelamente, durante o inverno e em épocas mais úmidas e frias, a tendência é de que a alcalinidade tenha picos mais intensos, podendo tornar a água mais corrosiva e turva e, assim, exigindo ajustes com mais frequência. Daí a importância, mais uma vez, de sempre verificar e corrigir os parâmetros com precisão ao invés de repetir sempre as mesmas aplicações de forma mecânica.

 

Fonte:blog.belpiscinas.com.br