Faça seu login

Você é um comunicador assertivo?

Postado em 1 de agosto de 2014 | 0 comentários

Dentre todas as competências que precisamos utilizar para fazer bem feito o que precisamos fazer cotidianamente, a mais crítica e ao mesmo tempo mais vital é a capacidade de nos comunicarmos com precisão e efetividade.
Competência, todo mundo sabe, é um mix composto pelo conhecimento – conjunto de boas informações que possuímos sobre algo – pela habilidade em usar com maestria esse conhecimento e pela atitude – energia emocional e motivacional que empregamos quando nos comunicamos.
Um exemplo emblemático da sinergia entre esses três aspectos, ou da sua falta, no âmbito da comunicação, faz parte da experiência de todos nós.
Quem se lembra daquele professor que sabia tudo da matéria que precisava ensinar, mas era pobre em didática? E do professor que foi inspiração para muitos de seus alunos, pois reunia o conhecimento, a didática e o entusiasmo? Um passava o tempo, o outro passava exemplo pessoal e conhecimento.
Comunicação precisa é aquela simples, objetiva, específica e que não se perde em floreios nem enfeites que atrapalham percepção e entendimento da mensagem. Nesse jogo o resultado é sempre comunicador objetivo 1, comunicador prolixo zero.
Quem assistiu ao filme A Rede Social, que romanceia a história da criação do facebook, viu um excelente exemplo comunicação na cena de abertura. Dizer duas coisas ao mesmo tempo é mesmo um desperdício.
Comunicação efetiva é a que vai direto ao ponto, mantendo relevância e propósito. Diz o que precisa dizer com assertividade e empatia, o que facilita a compreensão ao mesmo tempo em que estabelece um elo entre quem comunica e quem recebe a informação.
A criativa música Todos os Verbos, de Marcelo Jeneci e Zélia Duncan, é um precioso exemplo de como a objetividade enriquece e dá precisão à comunicação: “Amar é profundo, dizem todos os verbos do mundo”.
Assertividade é uma das joias da coroa da boa comunicação. O comportamento assertivo prima por ser positivo, objetivo, direto ao ponto. O comunicador assertivo costuma se expressar de forma eficaz e se precisa dizer não o faz com honestidade e sem prepotência.
O estilo assertivo de comunicação é integrador e empático. Pode ser firme, mas não deve ser agressivo. Junta em vez de separar. Posturas diretivas e controladoras, num extremo, e submissas, dependentes e passivas, no outro, são incompatíveis com assertividade. O mesmo pode ser dito de manipulação, omissão, transigência.
Uma forma interessante de reconhecer algo sobre sua assertividade, competência interpessoal e eficácia da comunicação é através da consideração dos sete fatores relacionados a seguir. Faça o teste:
Avalie como cada um se insere, no seu comportamento usual de comunicação, em uma escala de Um a Cinco. 1 = abaixo do esperado; 2 = próximo ao esperado; 3 = esperado; 4 = destacado; 5 = excepcional
Autoconhecimento (1-2-3-4-5), o que você sabe sobre você mesmo e que lhe permite considerar situações, avaliar suas consequências e tomar decisões coerentes com suas crenças e valores.
Saber lidar com as emoções (1-2-3-4-5), o seu grau usual de autocontrole em situações de interação, influência, confronto e acordo.
Autoconfiança (1-2-3-4-5), sentimento realista da capacidade de assumir riscos e aproveitar oportunidades.
Empatia (1-2-3-4-5), a habilidade superior de considerar o momento e a situação dos interlocutores e usar esse conhecimento com ética e construtividade.
Capacidade de análise e síntese: (1-2-3-4-5), competência casuística de expandir ou resumir elementos e fatores relevantes nas situações consideradas.
Comunicação precisa, objetiva e pontual (1-2-3-4-5), falar sem meias palavras e sem muito blá, blá, blá, mantendo-se na esfera do interesse comum das partes.
Saber dizer não (1-2-3-4-5), – quando isso mantém o foco e preserva os interesses mais legítimos de quem fala e de quem ouve a negativa.
E então? Nos sete fatores 3,0 é a média, o que indica que se pode melhorar muito.
Resultados com maior frequência têm sido encontrados entre 2,5 e 3,5, mas há desvios nas duas direções. Empatia e autoconfiança costumam puxar a média para cima, enquanto comunicação precisa e saber dizer não puxam para baixo.

Alfredo Duarte é consultor empresarial.
Expert em T&D com mais de 8.000 horas de vivência como facilitador em vários conteúdos voltados para desenvolvimento de competências em liderança, negociação, vendas e temas correlatos.
www.alfredoduarte.com.br

Author: admin

Compartilhar

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *